top of page

A palavra nos caminhos: uma análise do termo Inzila

Por: Iya Monadeosi

17/04/2023 | 14:46


1. Introdução

As línguas bantas foram transplantadas para o Brasil pelos seus falantes, através

da migração imposta aos povos africanos, a partir do século XVI.


A presença de línguas bantas deve ser considerada tanto no português brasileiro,

quanto no contexto do repertório linguístico da nação de candomblé congo-angola, cujas

dinâmicas estabelecem diálogos com a cultura nacional, preservando em seus espaços

um modo de ser e existir, capaz de manter aspectos culturais, históricos, sociais e

linguísticos.




Embora possam ser encontrados alguns termos e textos de outras línguas bantas,

nos candomblés da nação congo-angola, neste trabalho, se fará uma breve abordagem

apenas de uma dessas línguas: a língua kimbundo.


Este artigo tem por objetivo a análise do termo inzila, utilizado nesses

candomblés, sob dois aspectos: linguístico e antropológico.


Assim, a análise do termo servirá de pretexto para descrever, sucintamente,

aspectos linguísticos e culturais presentes nos territórios tradicionais de candomblé da

nação congo-angola.


2. O termo banto

As línguas bantas pertencem à subfamília bantóide que possui diversos grupos e

subgrupos, sendo o principal deles, o grupo banto. Esse grupo constitui a maior parte da

família bênue-congo, do tronco nigero-congolês.


Por volta de 1862, o linguista Wilhelm Bleek propôs o termo banto para

designar um grupo de, aproximadamente, 480 línguas faladas na região centro-sul da

África. O termo foi proposto devido à homogeneidade que possuem essas línguas.


Em kikongo, uma das línguas do grupo, a denominação banto origina-se do

radical /-ntu/ ‘pessoa’ precedido pelo prefixo plural /ba-/ ‘pessoas’. A raiz da palavra

pode ser encontrada em outras línguas bantas, ligeiramente mudada, por exemplo: àtù,

em kimbundo ; watu, em swahili ; wanthu, em nyasa ; bantu, em lega dentre outras

(cf.Asher & Simpson, 1993:302).


3. Inzila: aspectos linguísticos

Do ponto de vista linguístico, o termo inzila pode ser encontrado em algumas

línguas do grupo banto.


Em kimbundo, o termo njìlà possui a pré-nasalização, uma das características

das línguas bantas.


É importante ressaltar a ocorrência de tons nas línguas africanas de modo geral.

A língua kimbundo possui dois tons pontuais, expressos pelos diacríticos: alto /á/ e

baixo /à/. Os tons podem diferenciar significados. Por exemplo: njìlà ‘caminho’, dois

tons baixos /ì; à/ e njílà ‘pássaro’, a primeira vogal /í/ tom alto; a segunda vogal /à/ tom

baixo.


Além dessas características, as línguas bantas possuem um sistema de classes,

historicamente, considerado pelos bantuístas como o centro da sua estrutura. Wilhelm

Bleek (1862) foi o primeiro linguista a desenvolver um sistema de classificação nominal

para as essas línguas.


O sistema de classes nominais varia de uma língua para outra, mas nenhuma

delas excede a 23; a língua kimbundo possui 18.


No exemplo a seguir, no termo kimbundo, pode-se observar as marcas de

singular e plural através dos prefixos de classe:


Ligado a esse termo, há um outro, registrado por Cordeiro da Matta (1893):


Nos territórios tradicionais de candomblé da nação congo-angola, a aglutinação

do termo pambu ia-njila para Pambuanjila promove as seguintes variações: pambujila,

pambujira, pambojila, pambojira, pombajira, pombojira etc. Nas línguas africanas, de

modo geral, o /-le/ e o /-re/ são variantes livres e ocorrem conforme as circunstâncias da

expressão oral.


4. Inzila: aspectos antropológicos

Do ponto de vista antropológico, nos candomblés da nação congo-angola, Inzila

é um dos inquices que possui o poder da transformação; é o guardião e o protetor das

comunidades, por isso nada se faz sem a sua permissão, conseguida através das

oferendas. Ele é o mensageiro entre os seres humanos e os outros inquices. É o portador

do ngùzù e encarrega-se de distribuí-lo.


Inzila é também o Senhor dos caminhos, das bifurcações. É o princípio da

comunicação, o verbo, a palavra. O seu domínio é a natureza humana; ele rege o sexo

tanto masculino como feminino e é representado por um grande falo. Esse é um dos

motivos pelos quais, ainda na área dos povos bantos, na África, o associaram ao diabo.


Dependendo do fundamento de cada terreiro, Inzila pode ser cultuado de

diferentes maneiras. Pontua-se, aqui, duas delas: i) entidade/divindade; ii)

feminino/masculino. De modo geral, a figura feminina é cultuada com a denominação

de pombajira.


No grande caldeirão linguístico e cultural que se formou no interior dos

territórios tradicionais de candomblé da nação congo-angola, Inzila é conhecido por

nomes, cujos termos são de línguas bantas ou de outras línguas, tais como a fon e a

ioruba. Por exemplo: Exu, Pambujila, Pombojila, Bombonzila, Aluvaiá, Elebara, Bara

etc.


5. Conclusão

O estudo do termo inzila, nos candomblés da nação congo-angola, revelou a

presença da língua kimbundo no repertório linguístico desses candomblés.

A análise do termo se deu sob os dois pontos de vista: o linguístico e o

antropológico. No nível linguístico, pôde-se observar um pouco da estrutura das línguas

bantas, sobretudo, no que se refere aos prefixos de classe, aos tons e à nasalização. No

nível antropológico, foram abordados importantes aspectos culturais, vindos de longe

no tempo e no espaço.


Dessa forma, as informações em relação ao termo analisado apontaram, ainda

que resumidamente, a presença da língua kimbundo, a estrutura das línguas bantas e

também aspectos culturais, reconstruídos nos candomblés da nação congo-angola desde

os primeiros povos bantos trazidos ao Brasil.


6. Referências Bibliográficas

ASHER, R.E. & SIMPSON, J.M. Bantu Languages. In: The Encyclopedia of Language

and Linguistics. Vol. 1, Oxford, New York. Seoul. Tokyo, Pergamon Press:

1993:302-311.

BARROS, Elizabete U de. Traços do Kimbundo numa Casa de Candomblé Angola. São

Paulo, 2001. Dissertação (Mestrado em Linguística) FFLCH/USP.

BARROS, Elizabete U de. Traços de Quimbundo em uma comunidade religiosa. In:

PAPIA-Revista Brasileira de Estudos Crioulos e Similares, n° 15, pp.116-120,

Universidade de Brasília, Thesaurus Editora, 2005.

BARROS, Elizabete U de. Línguas e Linguagens nos Candomblés de Nação Angola.

São Paulo, 2007. Tese (Doutorado em Linguística) FFLCH/USP.

CORDEIRO DA MATTA, J. D. Diccionario Kimbundu-Portuguez Lisboa, Typografia

e Stereotypia Moderna da Casa Editora Antonio Maria Pereira, 1893.

MONADEOSI, Iya. Línguas Africanas no Candomblé. In: (org.) PETTER, M.

Introdução à Linguística Africana, São Paulo: Editora Contexto, 2015.

PEDRO, José Domingos. Etude Grammaticale du Kimbundu (Angola). These de

Nouveau Regime pour l’obtention du Doctorat en Linguistique. Sorbonne,

Université René Descartes. U.F.R. de Linguistique Generale et Appliquée, 1993.




Iya Monadeosi - AxéNews

Iya Monadeosi

Elizabete Umbelino de Barros é Professora Doutora em Linguística pela Faculdade

de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (2007).

Investiga as línguas africanas transplantadas para o Brasil, coletando textos orais e

escritos nas Comunidades Tradicionais de Matrizes Africanas.

Foi membro do GELA-Grupo de Estudos de Línguas Africanas do Departamento de

Linguística FFLCH/USP de 1998 a 2015. [+ informações do Iya Monadeosi]


Redes Sociais do Iya Monadeosi

Comments


logo1.jpg
  • Instagram

Notícias e conteúdos do Axé

bottom of page