top of page

Afroturismo foi tema do debate promovido pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro, em seu Salão Nobre

O encontro contou ainda com homenagens às Baianas do Acarajé



21/03/2024 | 09:11


O Afroturismo foi tema do debate promovido nesta segunda-feira (18) no Salão Nobre da Câmara do Rio, do qual participaram o presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Marcelo Freixo;  a subsecretária executiva da pasta municipal de Cultura, Mariana Ribas; a diretora do Museu da História e da Cultura Afro-Brasileira (Muhcab), Sinara Rúbia; o coordenador da Coordenadoria Executiva de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura do Rio, Yago Feitosa; a chef Dida Nascimento; o presidente do Afoxé Omo Ifa, Sandro Ifatorera; a Coordenadora das Baianas de Acarajé no RJ, Rosa Perdigão Iyalakara, e o carnavalesco e apresentador Milton Cunha, entre outros.




Autor da iniciativa, o vereador Edson Santos (PT) destaca que um dos objetivos da discussão era dar visibilidade à diversidade cultural presente na capital carioca, fomentando os setores de Cultura e Turismo. 


“Temos como foco a união de entes públicos e sociedade civil na produção de políticas públicas que transformem a vida do carioca. Queremos construir um ambiente favorável à visibilidade dos mais diversos aspectos da cidade, suas belezas naturais e sua diversidade cultural”, indicou o parlamentar.


O fomento ao afroturismo e a rotas literárias na cidade do Rio, visando o incentivo a destinos e negócios afrocentrados e a leitura, estiveram na fala do presidente da Embratur. Segundo Freixo, haverá visitas guiadas por espaços como a Pequena África, na Zona Portuária, Pedra do Sal, quadras de escolas de samba e demais lugares que guardam a memória da cultura negra no Rio. Já a rota literária vai passar por locais marcados nas obras de Machado de Assis, como a Rua do Ouvidor, e contará com QR Codes nas ruas, contando a história do local e dos personagens que viveram no local no romance do escritor.


O gestor aponta que a iniciativa vai expandir as áreas turísticas da cidade, levando os visitantes a locais que antes não recebiam o devido reconhecimento, além de proporcionar a circulação de capital nesses espaços. “O Brasil é um exemplo para o mundo. Enquanto fazem guerra por religião, fazemos festa. Transformar isso em nossa imagem é a melhor escolha. O país precisa ser um só, tanto para o morador quanto para o turista”.


Em sua fala, a subsecretária executiva de Cultura Mariana Ribas ressaltou os ganhos da cidade com o afroturismo. Para Ribas, a preservação da memória é essencial para a manutenção da cultura. “É essencial que as crianças aprendam já na escola de onde vem a nossa história. Sem isso, não conseguimos fomentar o afroturismo”. Segundo a subsecretária, o investimento nesse segmento não só estimula o combate ao racismo, como gera renda na cidade. 


Homenagem às Baianas do Acarajé

O encontro contou ainda com homenagens às Baianas do Acarajé, dedicadas ao ofício da culinária afro-baiana. Ao todo, mais de 50 membros da Associação das Baianas de Acarajé, Mingau, Receptivo e Similares do Estado do Rio (Abam-Rio) foram homenageadas pelo vereador Edson Santos, e receberam receberam moções de reconhecimento aos seus trabalhos.



Veja algumas fotos do evento:



Fontes: colunista Rosa Perdigão e Câmara Municipal do Rio de Janeiro









Comments


logo1.jpg
  • Instagram

Notícias e conteúdos do Axé

bottom of page